• Joana Pinheiro

Crianças mais inteligentes


Há uma forte relação entre uma má alimentação e dificuldades de aprendizagem. Incluem-se nesta categoria: piores resultados em testes; uma função cognitiva mais limitada; menor estado de alerta, atenção e memória; dificuldades no processamento de informação visual e resolução de problemas, bem como maior absentismo.

Torna-se fundamental que em casa, quer nas escolas, as crianças possam comer alimentos saudáveis, capazes de nutrir o cérebro.

Eis algumas dicas:

- incluir sempre legumes ou salada nas refeições;

- banir o leite chocolatado;

- criar actividades para as crianças prepararem e provarem refeições saudáveis;

- ter quintas pedagógicas;

- evitar oferecer alimentos processados, fast-food e alimentos pré-confeccionados.

Há que variar e experimentar opções diferentes, sempre com muita diversão e calma, até porque não existe um alimento que tenha todos os nutrientes que precisamos.

Oferecer nutrientes essenciais para o cérebro se desenvolver e trabalhar em pleno é algo que todas as crianças deveriam ter acesso. Em determinados casos, para além de se trabalhar as estratégias alimentarem para essa diversificação, é preciso nutrir de forma mais extensa, mas também corrigir carências nutricionais, equilibrar flora intestinal...

Afinal, somos todos iguais, mas ao mesmo tempo todos diferentes.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo